Diabetes gestacional: um risco para o seu bebê - INGOH - Instituto Goiano de Oncologia e HematologiaINGOH - Instituto Goiano de Oncologia e Hematologia
Home Dicas de Saúde Diabetes gestacional: um risco para o seu bebê
 
 

Diabetes gestacional: um risco para o seu bebê

Elaborado por:
Dr. Kleiner Vasconcelos Pinheiro
Diabetes gestacional: um risco para o seu bebê  

O estado de gravidez é caracterizada naturalmente pela resistência à insulina (hormônio que regula a quantidade de glicose no sangue) e hiperinsulinemia (excesso de insulina no sangue), e assim, pode predispor algumas mulheres a desenvolver diabetes.

O diabetes gestacional é uma doença muitas vezes silenciosa, que se não identificada e não controlada pode trazer prejuízos ao bebê e até para a mãe. Por isso a importância em se fazer um rastreamento e um diagnóstico precoce dessa doença.

Vários efeitos adversos têm sido associados com diabetes durante a gravidez. Para o bebê os principais são:

- Pré-eclâmpsia (pressão alta na gravidez)

- Hidrâmnios (alterações no volume de líquido amniótico)

- Macrossomia fetal (feto grande)

- Organomegalia fetal (hepatomegalia, cardiomegalia)

- Parto traumático

- Morte perinatal

- Distúrbios respiratório neonatais

- Complicações metabólicas (hipoglicemia, hiperbilirrubinemia, hipocalcemia)

- Aborto

- Anormalidades congênitas

 

Durante a infância,a criança poderá apresentar maior risco de:

- Obesidade

- Diabetes infantil

- Atraso no desenvolvimento motor

- Déficit de atenção e/ou hiperatividade

 

Os principais riscos para a mãe são:

- Permanecer diabética após a gestação

- Retinopatia (doença no fundo do olho, com risco de perda da visão)

- Nefropatia (doença dos rins)

- Doenças arteriais coronárias

 

Mulheres com maior risco de diabetes gestacional são aquelas com:

- História familiar de diabetes

- Sobrepeso ou obesidade

- Idade maior que 25 anos

- Gestação prévia com bebê com mais de 4,1 quilos

- História de intolerância à glicose

- História de aborto ou recém-nascidos com má formação

- Glicosúria (aumento de glicose na urina) na primeira visita pré-natal

- Síndrome do ovário policístico

- Uso atual de corticoides

- Hipertensão essencial ou gestacional

 

Obs.: Recomenda-se que todas as mulheres gestantes sejam triadas para diabetes gestacional, mesmo que não possuam os fatores de riscos relacionados acima.

EXAMES DE TRIAGEM PARA DIABETES GESTACIONAL:

- Glicose de jejum

- Hemoglobina glicada (A1C)

- Teste de tolerância com 75 gramas de glicose (entre 24 a 28 semanas de idade gestacional)

Obs.: Certifique-se que o exame seja realizado em laboratórios de referência, onde se faça controle rigoroso de qualidade e que seja de confiança de seu médico.

 

VALORES DE REFERÊNCIA:

Desde 2010, o Grupo de Estudos da Associação Internacional de Diabetes e Gestação (International Association of Diabetes ePregnancy Study Group – IADPSG) e a Associação Americana de Diabetes (ADA) classificam alterações nos níveis de glicose ou a intolerância à glicose como:

 

Critérios para Diabetes Gestacional:

- Glicose de jejum entre 92 a 125 mg/dL (em qualquer idade gestacional)

- Teste de tolerância à glicose 75 mg (entre 24 a 28 semanas de gestação):

- Glicose de jejum maior ou igual a 92

- Glicose após 1 hora maior ou igual 180 mg/dL

- Glicose após 2 horas maior ou igual 153 mg/dL

 

Critérios para Diabetes overt ((Diabetes pré-gestacional ou evidente - em qualquer idade gestacional):

- Glicose de jejum maior ou igual a 126 mg/dL

- Hemoglobina glicada (A1C) maior ou igual a 6,5% (usando um método rastreado ao DCCT – Diabetes Control and Complications Trial)

- Glicose ocasional maior ou igual a 200 mg/dL, porém confirmada com glicose de jejum ou hemoglobina glicada elevados

Mulheres com diagnóstico de Diabetes overt (ou Diabetes pré-gestacional) possuem maiores chances de complicações maternas (exemplo: retinopatia e nefropatia), assim como de anormalidades congênitas. Por isso a importância de um diagnóstico precoce dessa doença.

Obs.: Ao contrário do que muitos médicos imaginam, a metodologia para dosagem de hemoglobina glicada (A1C) por HPLC não é o padrão-ouro. Existem métodos tão bons quanto o HPLC, como o ensaio turbidimétrico. Porém, é essencial que a metodologia seja certificada pelo NGSP, ou seja, tenha rastreabilidade ao DCCT. A grande vantagem do HPLC em relação aos demais é que é capaz deidentificar algumas hemoglobinopatias variantes, que podem afetar o resultado da Hemoglobina glicada.

CONCLUSÃO:

O Diabetes Gestacional ou o Diabetes overt (Diabetes pré-gestacional) são doenças que geram risco ao bebê e à mãe. Dessa maneira, é de extrema importância um diagnóstico precoce dessas patologias.

Todas gestantes devem ser avaliadas por seu médico em relação ao seu nível de glicose no sangue. Peça sempre a seu médico a avaliação desse exame tão importante.

 

Texto publicado em: 22/11/ 2012

 

Referências bibliográficas:

. American Diabetes Association. Diagnosis and classification of diabetes mellitus. Diabetes Care 2011; 34. Suppl 1:S62.

. International Association of Diabetes and Pregnancy Study Groups Consensus Panel, Metzger BE, Gabbe, SG, et al.International association of diabetes and pregnancy study groups recommendations on the diagnosis and classification of hyperglycemia in pregnancy. Diabetes Care 2010; 33:676.