Vamos falar de câncer de pele? - INGOH - Instituto Goiano de Oncologia e HematologiaINGOH - Instituto Goiano de Oncologia e Hematologia
Home Dicas de Saúde Vamos falar de câncer de pele?
 
 

Vamos falar de câncer de pele?

Elaborado por:
Dra. Karina Pesquero
Vamos falar de câncer de pele?  

Você sabia que o câncer de pele é o tipo de câncer mais comum no ser humano? Sim, o câncer de pele é responsável por 1/3 de todos os tipos de câncer no mundo. Apesar de ser muito comum, observamos elevados índices de cura, graças ao diagnostico precoce.

Então é muito importante entendê-lo para detectar novos casos e o mais importante, tentar preveni-lo.

O que é câncer de pele e por que ele acontece?

O câncer de pele é provocado pelo crescimento anormal e descontrolado das células da pele. Estas células se dispõem em camadas e, de acordo com as que forem afetadas, são definidos os tipos de câncer. Os mais comuns são: carcinoma basocelular, carcinoma espinocelular e melanoma. Veremos a seguir as características de cada um.

Mas por que o câncer de pele aparece?

O principal vilão é a radiação ultravioleta. A exposição solar crônica cumulativa é o grande causador do câncer de pele. As exposições agudas ao sol, com queimaduras, aumentam muito a chance de melanoma. Hoje se recomenda o uso de filtro solares em crianças a partir de seis meses de vida.

Qualquer tipo de pele pode ter câncer, mas a chance é maior em pessoas de pele clara, ruivos, olhos claros, muitas pintas e história de câncer de pele na família. Por isso toda exposição excessiva ao sol é prejudicial a nossa pele!

Sintomas do câncer de pele:

Infelizmente a maioria dos cânceres da pele não dão sintomas, não incomodam. Quando maiores podem sangrar... O melhor mesmo é saber suas características e ficar atento!

Conhecendo melhor os tipos de câncer de pele mais comuns:

1) Carcinoma Basocelular:

É o mais prevalente. As lesões habitualmente são avermelhadas e brilhantes, semelhantes a uma cor perolada. Podem se parecidos com cicatrizes e muitas vezes são friáveis, ou seja, sangram facilmente. A boa notícia é que é um tumor maligno de excelente prognostico e raramente se espalha pelo corpo (metástases).

(2) Carcinoma espinocelular:

Geralmente é uma lesão vermelha, crescimento rápido com superfície áspera (cascas). Pode também se apresentar como uma ferida que não cicatriza. Pode acometer a boca e outras mucosas. Pode dar metástases e por isso o tratamento deve ser bem acompanhado.

3) Melanoma

Origina-se das células responsáveis pela produção de melanina, ou seja, a substância que dá a cor a pele e protege conta radiação ultravioleta. Por isso este tumor tende a ser de cor escura. O melanoma é um tumor maligno muito agressivo e se o diagnóstico não for precoce, costuma a se espalhar no corpo (metástases) e levar ao óbito.

Como então reconhecer o melanoma?

Geralmente se apresenta como uma mancha irregular, escura, na pele, como se fosse um mapa se espalhando. Pode raramente se apresentar como feridas ou nódulos.

Temos que estar atentos as nossas pintas e sinais. Se alguma alteração for detectada, estes sinais ou pintas deverão ser examinados pelo médico

dermatologista.

Vale aprendermos uma regra mnemônica simples para identificar lesões suspeitas. Regra do ABCDE

  1. A) Assimetria. Se a lesão for assimétrica é suspeita. Vamos imaginar uma pintinha na pele sendo cortada em quatro partes como cortamos uma pizza. Se os pedaços não forem iguais, essa pintinha é assimétrica.
  2. B) Bordas. A periferia da pintinha deve ser regular, certinha.
  3. C) Cor. As lesões benignas tendem a ter cor única. A suspeita tem tons escuros e variações de cores na mesma lesão (marrom claro, preto, cinza-azulado, vermelho, marrom escuro).
  4. D) Diâmetro. Lesões iguais ou maiores que 6 mm ou aquelas que estão crescendo rápido, são suspeitas.
  5. E) Evolução: toda mudança de formato, relevo em um período curto, faz da lesão, suspeita.

Manchas ou pintas nas solas dos pés, palma das mãos, unhas e dedos devem ser obrigatoriamente examinadas pelo dermatologista.

O câncer de pele tem cura?

Sim! É curável se o diagnostico for em fase inicial e o tratamento vai depender do tipo de câncer. Basicamente é cirúrgico. Em casos iniciais o resultado é excelente, com cicatrizes pequenas. No carcinoma espinocelular e no melanoma pode ser necessário quimioterapia.

Então, o melhor é prevenir, né ?! Como fazemos?

A radiação ultravioleta está cada vez mais agressiva no nosso planeta. Todos devemos nos proteger, ou seja:

Use protetor solar e reaplique sempre! Evite o bronzeamento, estaremos agredindo a pele e em longo prazo e aí vem o problema... Não confie somente no filtro solar, use chapéus, roupas com fator de proteção, óculos escuros e evite os horários entre 10 e 16 horas.

Faça uma visita ao dermatologista ao menos uma vez por ano, mesmo sem ter lesões suspeitas. As lesões de câncer podem estar em áreas difíceis de serem avaliadas por nós mesmos. Às vezes uma lesão "normal" para você pode ser suspeita para o médico.

Somente o exame clinica feito pelo medico especialista e a biópsia irá definir o câncer de pele.

Todos os casos devem ser tratados precocemente. Inclusive o carcinoma basocelular, que apesar de raramente dar metástases, podem dar lesões mutilantes em áreas expostas do corpo.

O cuidado diário da pele e a conscientização dos malefícios do sol em excesso são as chaves para nos mantermos livres destes tipos de câncer.