Entenda o que é a Leucemia Mieloide Crônica (LMC) - INGOH - Instituto Goiano de Oncologia e HematologiaINGOH - Instituto Goiano de Oncologia e Hematologia
Home Ingoh Explica Entenda o que é a Leucemia Mieloide Crônica (LMC)
 
 

Entenda o que é a Leucemia Mieloide Crônica (LMC)

Elaborado por:
Dra. Mireille Guimarães Vaz de Campos
Entenda o que é a Leucemia Mieloide Crônica (LMC)  

No #INGOHexplica dessa semana vamos entender melhor a leucemia mieloide crônica (LMC)

Existem inúmeros tipos de leucemias, que podem, a princípio, ser classificadas em agudas e crônicas. A leucemia aguda é uma doença grave e de evolução rápida, em dias a semanas, sendo necessário o cuidado rápido e especializado. Já as leucemias crônicas são doenças bem mais lentas, que evoluem no decorrer de meses a anos. Na verdade, as duas principais representantes, leucemia linfoide crônica (LLC) e leucemia mieloide crônica (LMC) são completamente diferentes uma da outra. Em ambas ocorre um aumento dos leucócitos (leucocitose), que são nossos soldados de defesa do organismo. Na linfoide (LLC), o aumento é dos linfócitos e, na mieloide (LMC), o aumento é dos granulócitos. Pode parecer grego inicialmente, mas basta lembrar que os linfócitos são nossos soldados de elite e os neutrófilos são nossa primeira defesa contra elementos estranhos. Ou seja, as células de origem da neoplasia tem funções muito diferentes e a doença, portanto, também terá comportamento diferente.

A LMC se parece muito com outras doenças mieloproliferativas crônicas, como a policitemia vera, a mielofibrose e a trombocitemia essencial e, até o momento, é uma doença que não curamos, mas controlamos de forma muito eficaz, precisando de acompanhamento por muitos anos. É uma doença que se origina na célula tronco hematopoética, favorecendo a diferenciação desta célula para o setor mieloide e aumentando a quantidade, principalmente, de neutrófilos maduros (e imaturos) no sangue periférico. Foi uma das primeiras neoplasias a ter sua causa genética (que não é hereditária) bem definida. O cromossomo Philadelphia foi identificado na década de 60 e, desde então, muito se aprendeu sobre o impacto de sua presença na célula…. até que no final da década de 90 foi desenhada uma molécula que reduz este impacto! Esse é um dos grandes exemplos de avanço na ciência que mudou a trajetória natural de uma doença! Os pacientes com LMC, que antes tinham uma expectativa de vida de 5-10 anos, agora tem a mesma expectativa de vida que as pessoas da sua idade que não tem a doença!

Se você tem leucemia, apenas o médico especialista, que é o hematologista, pode te dizer como o seu caso se comporta. Se tem dúvida, não deixe de conversar com o seu médico.

#leucemiascronicas #leucemiamieloidecronica #LMC #LLC #leucocitose#doencasmieloproliferativascronicas

Diretor Técnico: Dr Yuri Vasconcelos Pinheiro, PhD, Hematologista e Hemoterapeuta, CRM-GO 10.219/RQE 4883.