Edit Content
Search

Prótese mamária muda a rotina de cuidados da mulher?

Você esta em:

  1. Home
  2. »
  3. Blog
  4. »
  5. Prótese mamária muda a rotina de cuidados da mulher?

Indice

Cuidados são semelhantes aos que devem ser adotados por pacientes que não tenham colocado silicone. Cirurgia plástica não impede realização de mamografia

Colocar um implante de silicone nas mamas é o sonho de muitas mulheres. Mas será que após a realização do procedimento e ao longo da vida com a prótese é necessário ter algum cuidado diferente com as mamas? Essa é uma dúvida quase tão comum quanto o sonho da cirurgia plástica. E a resposta é: não! O fato de ter prótese mamária não muda os cuidados que as mulheres precisam ter com a saúde mamária, como explica o médico mastologista do INGOH, Frank Braga.

“A rotina de cuidados é a mesma para pacientes com ou sem prótese mamária. Mulheres com o implante não necessitam ter um cuidado específico com a prótese, o que elas precisam é de um controle regular das mamas, que consiste em observação, avaliação, palpação, toque, consulta anual com mastologista e exames de imagem de acordo com cada faixa etária – ultrassom das mamas, mamografia ou, em algumas situações, a ressonância magnética”, orienta o médico.

A recomendação da Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) para mulheres assintomáticas, ou seja, que não apresentam qualquer sinal ou sintoma de patologia nas mamas, nem histórico familiar de doença mamária, a partir dos 40 anos de idade, é de uma consulta com o mastologista e a realização da mamografia uma vez por ano, tendo ou não prótese de silicone.

O mastologista Frank Braga destaca que o rastreio do câncer de mama em pacientes com implante mamário é igual ao que é feito em mulheres sem a prótese. Processo que conta com a realização da mamografia, podendo ser complementado com exame de ultrassom das mamas e ressonância.

O médico pontua que “a mamografia é realizada da mesma forma em pacientes com prótese mamária, sendo que obrigatoriamente é feita uma incidência a mais nessas mulheres, que nós chamamos de ‘Eklund’. Esse é o nome científico de uma manobra que nos permite separar o tecido mamário da prótese e, assim, observar alguma possível lesão que possa ficar obscurecida pela presença do implante. Mas a prótese não atrapalha, nem dificulta o exame. E também não há qualquer risco da prótese se romper ou se deslocar durante a análise”.

Quanto à dor na realização da mamografia, o mastologista do INGOH explica que a percepção dolorosa é exatamente a mesma em pacientes com ou sem a prótese. “É seguro usar o implante e isso não compromete o rastreio do câncer de mama. As pacientes de implante de silicone podem e devem fazer a prevenção secundária do câncer de mama com a mamografia tranquilamente”, completa o mastologista Frank Braga.

O INGOH é referência no tratamento do câncer de mama em Goiás e possui um espaço exclusivo para o atendimento de pacientes com tumores mamários, o “Mama e Amor”, que oferece atendimento humanizado e especializado. Com o compromisso de fornecer atendimento de qualidade e apoio abrangente aos pacientes, o INGOH conta com uma equipe especializada para lhe atender. Por isso, conte conosco!