Home Quimioterapia Manejando a perda de apetite e de peso quando se tem câncer Quimioterapia Sobre

A quimioterapia consiste no emprego de medicamentos, chamados quimioterápicos, para combater células doentes (cancerígenas), destruindo e/ou controlando seu desenvolvimento. O tratamento com medicamentos anticâncer é um dos quatro métodos de se atacar o câncer. Pode ser utilizada com qualquer um dos outros métodos: radioterapia, imunoterapia e cirurgia, dependendo de fatores como tipo de tumor, localização e estágio da doença. Alguns dos medicamentos já estão amplamente testados e são encontrados no comércio. Outros, entretanto, ainda são drogas em investigação, estão sendo extensivamente pesquisadas e não estão disponíveis para todos.

Podem ser ministradas isoladamente (monoquimioterapia) ou combinadas (poliquimioterapia). Sendo esta última a que apresenta resultados mais eficazes, pois consegue maior resposta a cada aplicação, diminui o risco de resistência às drogas e consegue atingir as células em diferentes fases do seu ciclo.

O INGOH está preparado para administrar seu tratamento quimioterápico. Uma equipe experiente sempre comprometida com o seu bem-estar permanece ao seu lado em cada fase do tratamento.

imagem
Manejando a perda de apetite e de peso quando se tem câncer - INGOH - Instituto Goiano de Oncologia e HematologiaINGOH - Instituto Goiano de Oncologia e Hematologia
Quimioterapia Unidades

Manejando a perda de apetite e de peso quando se tem câncer

Texto da Dra. Mireille Guimarães Vaz de Campos, Hematologista e Hemoterapeuta

médica do corpo clínico do INGOH

Pacientes com câncer necessitam de um cuidado especial com a alimentação. Alimentar-se adequadamente é um passo importante para o sucesso do seu tratamento.

O que pode causar perda de peso ou ausência de apetite quando se tem câncer?

Câncer: mesmo se você comer muito, o câncer pode consumir quase todos os nutrientes que você está ingerindo. Além disso, dependendo da localização do tumor (por exemplo, tumores de cabeça e pescoço), pode haver dificuldade e/ou dor ao engolir.

Tratamento: Quimioterapia e radioterapia causam efeitos colaterais que podem tornar difícil o hábito de comer, como, por exemplo, náuseas, vômitos, feridas na boca, cansaço, boca seca ou alterações no sabor e cheiro dos alimentos.

Dor: Ter dor durante um tratamento (principalmente cirúrgico) pode causar perda de apetite

Humor: Se sentir triste ou preocupado pode levar a perda de apetite

Por que é importante comer?

Mesmo não querendo comer, é importante que o paciente se esforce para comer, principalmente durante o tratamento. Assim, você terá mais energia e se sentirá melhor, reduzindo o risco de ficar desnutrido em um momento onde seu corpo está lutando contra um inimigo que consome suas energias, o câncer.

Que alimentos podem me ajudar a manter o peso?

Alimentos com muitas calorias são ideais para quem tem câncer e precisa ganhar peso, alguns exemplos são:

- Sopas

- Leite, vitaminas, queijos, pudim

- Ovos, frango, carne vermelha e peixe

- Iogurte, frozen iogurte e sorvetes

- Castanhas, frutas secas, barras de cereais

- Carboidratos: arroz, massas, pães (cuidado com estes itens, se for diabético)

- Bebidas com suplementos: oferece a possibilidade de aumentar ou assegurar a ingestão de nutrientes em casos no qual a alimentação encontra-se inadequada nos paciente com câncer. Pode ser iniciada, se a ingestão de alimentos está diminuída a mais de 7 dias e pode ser mantida durante todo o tratamento. Antes de começar a tomar qualquer suplemento, é importante que você converse com seu médico ou nutricionista. Lembre-se que alguns suplementos alimentares podem interferir no tratamento do câncer e de alguns medicamentos prescritos.

O que eu posso fazer para comer o suficiente?

Fazer 5 a 6 refeições por dia, ao invés de 3 refeições grandes.

Beber líquidos entre e as refeições, ao invés de durante as refeições, assim não vai encher seu estômago com líquidos. Tente tomar pelo menos 2 litros de líquido ao dia (8 copos)

Evite bebidas alcóolicas

Comer petiscos saudáveis entre as refeições, sempre que sentir fome.

Adicionar óleo, manteiga, castanhas, leite em pó aos alimentos, para aumentar seu conteúdo calórico.

Comer alimentos que tenham o cheiro bom.

Adicionar condimentos para melhorar o sabor (lembre-se que o tratamento pode alterar o sabor dos alimentos. Teste com pequenas doses, mesmo se você anteriormente gostava do condimento, como alho e pimenta. Pode ser que durante o tratamento, você não tolere alguns deles).

Se alimente com sua família e amigos, torne o momento da refeição um horário agradável.

Compre comida pronta ou prepare pratos congelados, ara que não tenha que cozinhar todas as vezes que sentir fome. Lembre-se que sua energia está diminuída nesse período.

Peça alguém que compre ou cozinhe para você, se não se sente à vontade para isso.

Faça um pequena caminhada cerca de 1 hora antes de se alimentar, para te ajudar a ter apetite.

Questione seu médico sobre suplementos ou converse com um nutricionista.

Se está tendo efeitos colaterais com o tratamento que te impedem de se alimentar, lembre-se das seguintes dicas:

Se tem boca seca, beba muito líquidos (não apenas água, mas sucos, água de côco, bebidas isotônicas, chás) e evite alimentos duros ou difíceis de comer (como torradas e bolachas). Você pode comer alimentos úmidos, tomar um picolé ou sorvete ou chupar uma balinha (se for diabético, sem açúcar).

Se tem feridas na boca, coma alimentos macios que pode mastigar e engolir mais facilmente. Também pode cortar os alimentos em pequenos pedaços ou amassá-los. Evite pimenta e alimentos muito salgados.

Se está com náuseas, os alimentos devem ser leves e secos, como bolachas, arroz e torradas. Evite alimentos gordurosos e apimentados. Não fique muito temo sem se alimentar. Chupe gelo com sabores variados. Você pode fazer forminhas de gelo com água de coco ou sucos).

Se está com alterações na sensação de gosto e cheiro (paladar e olfatO0, escolha alimentos com boa aparência e odor agradável, chipe balas de menta ou hortelã (sem açúcar se for diabético). Se gosto metálico, evite a carne vermelha.

Se está com o intestino preso, beba mais líquidos (para aumentar o volume do bolo fecal) e faça pequenas caminhadas. Pode também aumentar a quantidade de alimentos ricos em fibras, como vegetais, frutas, feijão, castanhas e cereais.

Se está com diarreia, beba muito líquido (para evitar desidratar), evite leite, alimentos gordurosos e ricos em fibra

Como higienizar os vegetais?

Todos os vegetais (frutas, verduras e legumes) que forem consumidos crus devem passar por esse processo de higienização, que deve ser feito antes de descascar e cortar o alimento. Primeiro, você deve retirar folhas ou unidades deterioradas. Depois, lavar em água corrente as frutas, legumes e verduras (uma a uma); colocar de molho por 10 minutos (orientação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa) em uma solução contendo uma colher de sopa rasa de hipoclorito de sódio (água sanitária de 2 a 2,5%) para cada litro de água potável. Em seguida, enxague em água filtrada corrente. Nunca use cloro puro! Soluções de hipoclorito de sódio a 1% ou produtos à base de cloro orgânico, específicos para lavagem de vegetais, também podem ser utilizados.

Se sua defesa estiver muito baixa, lembre-se de evitar alimentos não cozidos ou alimentos que não podem ser lavados.

Quando avisar meu médico?

- Se não está conseguindo manter alimentos ou bebidas no estômago

- Se estiver com muita dor na barriga

- Se sentir muito fraco ou com tonturas

- Se tiver febre

Existem medicamento que aumentam o apetite?

Sim. Os médicos podem prescrever esses medicamentos, que incluem hormônios e substâncias esteroides, mas sempre existem efeitos colaterais.

Existem outras formas de alimentar?

Sim. Se não conseguir comer, mas seu corpo conseguir digerir, uma sonda nasogástrica ou nasoentérica (que nada mais é que um tubo de alimentação) pode ser colocado pelo nariz, com a outra ponta no estômago ou intestino delgado. Se o corpo não estiver sendo capaz de digerir, a nutrição pode ser administrada por uma veia, mas, em geral, essa opção não é necessária em pacientes com câncer.

Só porque é natural não significa que é seguro.

Muitas pessoas acreditam que qualquer alimento ou suplemento natural, seja melhor ou mais seguro do que algo refinado ou fabricado. Cogumelos venenosos, carvalho venenoso e hera venenosa são completamente naturais e extremamente tóxicos para as pessoas. Sempre converse com seu médico antes de alterar algum hábito alimentar. Pode ser que aquele alimento interfira no seu tratamento.

Referências:

www.uptodate.com.br

http://www2.inca.gov.br/ (clique aqui para assessar o pdf)