Edit Content
Search

Setembro em Flor: campanha alerta para tumores ginecológicos

Você esta em:

  1. Home
  2. »
  3. Notícias
  4. »
  5. Setembro em Flor: campanha alerta para tumores ginecológicos

Indice

INCA estima 704 mil novos casos de câncer para o Brasil, em 2023. Desses, 13% estão ligados a útero, endométrio, ovário, vagina, vulga e colo do útero – esse, mais popular

Campanha Setembro em Flor

No mês da primavera, o INGOH estende essa floração para uma causa importante: a campanha Setembro em Flor. Este período é escolhido estrategicamente para plantar a sementinha da conscientização em nossa sociedade, promovendo informação e saúde para todos.

O objetivo principal da ação é alertar a população sobre os fatores de risco, sinais e sintomas precoces de cânceres ginecológicos, que são aqueles que acometem colo do útero, endométrio, ovário, vagina e vulva.

Câncer Ginecológico

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), o Brasil tem uma estimativa de 704 mil novos casos de câncer para cada ano do triênio 2023-2025. Nesse cenário, mais de 30 mil diagnósticos devem ser relacionados aos tumores ginecológicos, representando mais de 13% do total, excluindo o câncer de pele não melanoma.

No entanto, o INGOH ressalta que o câncer ginecológico apresenta excelentes chances de sucesso no tratamento, quando detectado precocemente. Para isso, é de extrema importância que a população esteja ciente dos sintomas, das possibilidades de tratamento e, principalmente, que mantenha vigilância constante em sua saúde.

Como é a Prevenção ?

A nossa oncologista clínica Dra. Ana Cláudia Lima reforça que medidas simples auxiliam na prevenção do câncer de colo do útero. “A vacina contra o HPV é uma importante alternativa para combater esse tipo de neoplasia e está disponível no SUS. É importante ressaltar que a eficácia da vacina é ainda maior, quando meninas e meninos não tiveram contato com o vírus, mas isso não quer dizer que a criança ou o adolescente iniciará suas práticas sexuais ao se imunizar. Isso é um mito disseminado na população, que precisamos combater”, explica a especialista.

No Brasil, de acordo com a médica, a cobertura vacinal ainda é baixa. Em média 53% das meninas completaram o esquema vacinal e apenas 27% dos meninos fizeram as duas doses.

Ana Cláudia Lima apresenta dados da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícias (Febrasgo), os quais demonstram que cerca de 80% da população sexualmente ativa já teve contato com o vírus do HPV e o pico de incidência é dos 18 aos 25 anos. De acordo com a médica, 80% das infecções desaparecem sem deixar sequelas; os demais podem desenvolver verrugas genitais e câncer do colo do útero.

Lima ainda ressalta que consultas de rotina com ginecologistas e manutenção de exames em dia auxiliam no diagnóstico precoce. “E isso corrobora para um tratamento menos agressivo e até para cirurgias menos invasivas”, finaliza.

No INGOH, estamos comprometidos com a missão de informar, prevenir e tratar os cânceres ginecológicos. Acreditamos que, juntos, podemos reduzir a incidência e salvar vidas. Faça parte da campanha Setembro em Flor e ajude-nos a florescer a conscientização e a saúde de todas as mulheres. Espalhe flores e informações corretas pelo seu caminho.