Edit Content
Search

Dia Mundial de Conscientização sobre Linfomas

Doença tem alta taxa de cura, mas informações ainda são pouco difundidas na população. Hematologista ressalta importância de diagnóstico precoce

Você sabe o que é Linfoma? Esse é um tipo de câncer que afeta o sistema linfático do organismo, que é composto por órgãos (linfonodos e gânglios) e tecidos que produzem as células responsáveis pela imunidade e vasos que conduzem essas células para o corpo. O sistema linfático tem a função de drenar o excesso de líquido das células para devolver os nutrientes necessários ao sangue e, assim, manter o equilíbrio corporal. A doença pode ser classificada como Linfoma de Hodgkin ou Linfoma não-Hodgkin, a depender do tipo de linfócito afetado. Linfócitos, por sua vez, são células do sistema imunológico, responsáveis por defender o corpo contra agentes invasores desconhecidos.

De acordo com a hematologista do Instituto Goiano de Oncologia e Hematologia (INGOH), Renata Zanzoni, a doença tem boas chances de cura, mas o diagnóstico inicial é importante para o sucesso assistencial. “Estamos falando de uma doença potencialmente curável, com ótimas opções terapêuticas para serem utilizadas e uma boa taxa de remissão com os protocolos utilizados já em primeira linha de tratamento. Para isso, o diagnóstico precoce é essencial, pois é a partir dele que se define a terapia mais indicada”, ressalta a médica.

O Instituto Nacional de Câncer (INCA) estima que mais de 15 mil casos de Linfoma sejam diagnosticados no Brasil, em 2020, entre Hodgkin ou não-Hodgkin, com aproximadamente 5 mil óbitos ocasionados pela doença. Com o objetivo de reverter o quadro, o tratamento varia de acordo com a doença diagnosticada e pode contar com poliquimioterapia, radioterapia e imunoterapia. Para se ter uma ideia, o Linfoma não-Hodgkin tem cerca de 40 subtipos, por isso, o acompanhamento de um médico especialista é fundamental.

Entre os sintomas iniciais do Linfoma constam aumento dos linfonodos, popularmente conhecidos por íngua, do pescoço, das axilas e/ou virilha; suor noturno excessivo, febre, coceira na pele e perda de peso acentuada, sem causa aparente. “Nem todo inchaço ganglionar é câncer, mas ele indica que algo está em desequilíbrio no corpo, então, deve ser investigado”, alerta Zanzoni. Para diagnóstico adequado, inicialmente, biopsia e análise patológica são recomendadas.

Algumas substâncias químicas estão relacionadas à ocorrência do Linfoma. Diante disso, segundo o INCA, estudos como o Health Agricultury Health demonstram que trabalhadores rurais têm maior risco de desenvolver Linfoma não-Hodgkin, possivelmente pela exposição a agrotóxicos, solventes, diesel, poeiras e outros. No Linfoma de Hodgkin, o principal fator de risco está associado ao sistema imune comprometido, como portadores do vírus HIV e pacientes que fazem uso de imunossupressores – remédios indicados após realização de transplantes, para evitar a rejeição do órgão.

O Linfoma de Hodgkin e não-Hodgkin, portanto, são doenças de origens distintas e, consequentemente, se diferenciam em patologias distintas. Por isso, para maior esclarecimento da população, celebra-se o Dia Mundial de Conscientização sobre Linfomas, em 15 de setembro, com o objetivo de levar mais informações ao público em geral e, assim, mais vidas serem salvas. Para isso, o acompanhamento médico é fundamental, mesmo em tempos de pandemia.

Assessoria de Imprensa | INGOH