Edit Content
Search

Outubro Rosa: mês da conscientização sobre o câncer de mama

Você esta em:

  1. Home
  2. »
  3. Notícias
  4. »
  5. Outubro Rosa: mês da conscientização sobre o câncer de mama

Indice

No mês da conscientização sobre o câncer de mama, entenda a importância de um diagnóstico precoce.

A primavera tem muitas cores mas, em outubro, a mais bonita delas é, sem dúvidas, o rosa. Isso porque a causa é nobre: conscientização sobre a importância da prevenção contra o câncer de mama. Ainda que este deva ser um tema atemporal, neste mês ele é colocado em alta e o Instituto Goiano de Oncologia e Hematologia (INGOH), como em todos os anos, está engajado nesta causa, em mais um ano de Outubro Rosa.

Para falar sobre o tema, o INGOH convidou o Dr. Leandro Gonçalves, Oncologista Clínico e especialista no assunto, que explicou sobre a importância do rastreamento e diagnóstico precoce para maior chance de cura da doença. Acompanhe.

Outubro Rosa – O que é o Câncer de Mama

Segundo o Instituto Nacional de Câncer – INCA, o câncer de mama é uma doença causada pela multiplicação desordenada de células anormais da mama, que formam um tumor com potencial de danificar outros órgãos. A doença é mais comum em mulheres, mas pode acometer homens, que representam 1% dos casos.

Para saber mais sobre o câncer de mama em homens, confira: Câncer de mama também é papo de homem.

Cenário do Câncer de Mama no Brasil

Como bem pontua Dr. Leandro Gonçalves, depois do câncer de pele não-melanoma, o câncer de mama é o mais comum na mulher brasileira, em todas as regiões do país. O doutor cita dados do INCA, “para o ano de 2023, a estimativa é de cerca de 73 mil casos novos de câncer de mama e cerca de 1970 casos novos no estado de Goiás”.

Você encontra mais estimativas no conteúdo: 704 mil novos casos de câncer de mama para 2023.

Diagnóstico precoce do Câncer de Mama: a chave para um tratamento de sucesso

Dr. Leandro ressalta que “infelizmente, por conta, principalmente, da pandemia do COVID-19, é possível notar que as pacientes têm feito diagnóstico em uma fase mais tardia da doença e isso tem impacto diretamente proporcional à chance de cura dessas pacientes”. É o que nos conta também o artigo Diagnóstico para câncer de mama cai durante pandemia.

Segundo a Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama (FEMAMA), o câncer de mama pode ter até 95% de chance de cura se diagnosticado e tratado precocemente. E é aqui que reside a importância da prevenção.

A respeito do diagnóstico precoce:

 “o rastreamento é importante porque é a maneira mais eficaz de se fazer o diagnóstico da doença em estágio inicial. (…) É importante que o câncer de mama seja diagnosticado em uma fase inicial para que possamos ter elevadas taxas de cura e para que as pacientes possam receber tratamentos menos tóxicos.”

Dr. Leandro Gonçalves

Então, afinal, por que o diagnóstico precoce é tão importante? Além da chance de cura ser muito maior, segundo Dr. Leandro, é dessa forma que se torna possível prescrever tratamentos menos tóxicos, as cirurgias serem menos agressivas e as quimioterapias, menor intensidade.

Em casos de diagnóstico tardio do Câncer de Mama

No caso de pacientes que recebem diagnóstico tardio, em fase avançada do câncer de mama, o objetivo do tratamento é a paliação, o controle dos sintomas e a melhora do bem-estar. Ainda assim, mesmo nestes casos, tem se conseguido avançar com novas medicações e novos tratamentos, sendo possível dizer que o câncer de mama pode ser considerado uma doença crônica, com pacientes vivendo por anos com qualidade de vida e mantendo o bom controle da doença.

Sequelas do tratamento de Câncer de Mama

Nem todos os casos de câncer de mama possuem sucesso em diagnóstico precoce e acabam passando por intensos tratamentos de radioterapia e quimioterapia, os quais deixam sequelas devido às toxicidades relacionadas.

Conforme explica Dr. Leandro, “essas toxicidades podem ser agudas, que são aquelas durante o tratamento e durante alguns meses após o tratamento e as toxicidades crônicas, que são aquelas toxicidades a longo prazo.”.

Hoje, as tecnologias permitem que sejam feitas quimioterapias com menos efeitos colaterais, minimizando efeitos tóxicos como o da alopecia (queda acentuada dos cabelos), por exemplo.

Um convite à prevenção

Neste mês de outubro, especialmente, oINGOH te convida a se prevenir, a realizar o autoexame e o rastreamento por meio da realização regular da mamografia. Agende sua consulta clicando aqui.

Logo abaixo você confere na íntegra o vídeodo Dr. Leandro Gonçalves. E para mais conteúdos como este, siga o INGOH nas redes sociais. Lá você também encontra dicas, notícias e muito mais. Acesse nosso Instagram e Facebook.